Oscar 2020: E as categorias de som?

Geralmente eu não presto muita atenção ao Oscar. É uma premiação de cunho muito comercial, bem focado no cinema exclusivamente de Hollywood e que dificilmente deve ser levada em consideração quanto à qualidade absoluta de um filme. O Oscar, para mim, serve apenas como uma lista de filmes que eu posso assistir ou não. Não acompanho o Oscar desde 2011, que foi quando percebi que é uma premiação sem-futuro e comecei a acompanhar em 2010. Até hoje me pergunto como levei um ano inteiro para entender que o Oscar é uma premiação que não valia gastar muito tempo.

Entretanto, por motivos que deixarei claro mais abaixo, o Oscar se torna mais digno nas categorias menos vistas uma vez que a votação para essas categorias tende a ser mais crítica e feita por pessoas da área. Inclusive, costumo dizer que normalmente o melhor filme de verdade na lista do Oscar é aquele que ganha o prêmio de melhor edição. Assim, acho que é interessante prestar atenção às categorias menores e, no nosso recorte aqui no Audiofilico, focar nas categorias de som.

São 4 categorias que envolvem som: Melhor “Trilha Sonora” Original, Melhor canção, melhor edição de som e melhor mixagem de som. Explicando cada uma delas de forma simples:

  1. Melhor Trilha Sonora: Se refere à música total de um filme, em geral uma música sem letra. Em inglês, o nome já foi “best soundtrack” (melhor trilha sonora), mas agora é “best score” (melhor partitura/ composição). A troca do nome refere-se não somente à natureza instrumental dessa categoria, mas também ao fato de que o termo “trilha sonora” já não é mais utilizado para se referir apenas à música, mas vez que a trilha sonora é composta de diálogos e todos os outros sons de um filme. Para a música, o termo atual correto seria “trilha musical”, mas a imprensa no Brasil ainda não usa esse termo, em parte por um anacronismo, em parte porque ninguém liga pra o som.
  2. Melhor canção: Normalmente faz parte de um filme musical ou que tenha algum conteúdo relacionado à música. Sempre possui letra. Essa é a categoria mais comercial das quatro. As pessoas que votam nessa categoria dificilmente a fazem pelo tanto que a música acrescenta à narrativa do filme, mas pela qualidade da música em si, isoladamente. Honestamente, acho que é uma categoria mais pra vender álbuns do que qualquer outra coisa, com todo respeito às ótimas músicas muitas vezes evidenciadas por essa categoria.
  3. Melhor Edição: Aqui que começa a ficar confuso para a maioria das pessoas. Melhor edição se refere à quais são os sons colocados nos filmes e se eles enriquecem a narrativa. É uma excelente categoria do Oscar e que acredito que todo mundo deveria prestar atenção nesses filmes. Mais abaixo, falarei sobre alguns dos quesitos utilizados para definir uma boa edição de som, segundo a própria academia.
  4. Melhor mixagem: Enquanto a edição se som se refere aos sons que são colocados, a mixagem se refere a como esses sons são evidenciados. Ou seja, a mixagem tem o poder de aumentar esses sons ou diminuí-los até eles ficarem imperceptíveis. A mixagem parece muito com a discriminação binaural que o nosso ouvido faz no dia-a-dia, onde focamos em certos sons e ignoramos outros. Em termos visuais, é como se a edição nos mergulhasse em um universo de sons e a mixagem nos apontasse para onde devemos olhar.
No livro “Hollywood Sound Design and the Moviesound Newsletter: A Case Study of the End of the Analog Age”  (Desenho sonoro Hollywoodiano e o boletim informativo do som de filmes: um estudo de caso do fim da era analógica), os autores citam  algumas diretrizes divulgadas pela academia em 1991 para a análise do som de um filme:
Para a mixagem de som (na época, entitulada apenas como “o som”), as diretrizes são:
– Os diálogos devem ser suaves, naturais e inteligíveis
– Os efeitos sonoros devem aumentar o realismo da ação e acentuar o seu impacto dramático
– A mistura de música com diálogo e efeitos sonoros deve ajudar a determinar o tom do filme e complementar o seu efeito emotivo. (Ao determinar o prêmio de som, a música deve ser julgada apenas em sua relação com os diálogos e efeitos sonoros, uma vez que esse não é um prêmio para a composição musical, o que é uma categoria à parte).
 
O prêmio de melhor som não deve necessariamente ir para:
– O filme com o som mais alto e espetacular.
– O filme com a música mais popular.
(Tradução do Audiofilico.com)
Para a edição de som, as diretrizes são:
– Os sons escolhidos para esse filme ajudam a estabelecer onde o filme ocorre (sua localização e a época)?
– Os sons escolhidos para esse filme definem características dos personagens (seus estilos e ações)?
– Os sons escolhidos para esse filme aumentam o envolvimento emocional da plateia?
– Os sons escolhidos para esse filme intensificam a experiência fílmica, quer seja de ação, comédia ou drama?
(Tradução do Audiofilico.com)

Como se pode ver, a grande questão é o quanto esse som captura a plateia e a transporta para certo universo. Com isso, fica óbvio porque a maioria dos filmes que vencem essas categorias são filmes que se passam em alguma época do passado ou são filmes de ficção científica. Filmes do cotidiano dificilmente aparecem nessa categoria e documentários são basicamente inexistentes. Além disso, essa questão da clareza de diálogo deixa claro como não há muito espaço de liberdade criativa, mas os filmes devem ficar claros e simples para todas as plateias.

Para entender essa premiação, nada mais central do que entender como a votação é feita. A academia possui diferentes vertentes de atuação, uma delas sendo o som. Para definir quais os filmes que são indicados ao Oscar, apenas os profissionais do som podem votar. Depois de definidas as cinco indicações, qualquer um dentre os milhares de membros da academia pode votar nessas categorias, mas existe a recomendação de que o membro não deve votar em categorias que não tenha expertise.

Muita gente acha que entende de música, mas pouca gente entende os processos de edição e mixagem de som. Com isso, as duas categorias relacionadas à música recebem bem mais votos que as de mixagem e edição. Por isso creio que essas duas categorias “técnicas” sejam as mais confiáveis, porque recebem mais votos de quem realmente sabe no que está votando. Entretanto, mesmo essas categorias recebem mais votos de pessoas de outras áreas do que do som.

Por causa disso, recentemente houve um debate interno na academia sobre fundir as categorias de edição e de mixagem, já que a maioria dos votantes não faz ideia de qual seja a diferença entre essas categorias. Isso tanto é verdade que, na maioria dos anos dessas duas premiações, os dois filmes escolhidos foram o mesmo, porque a maioria dos votantes escolhiam o mesmo filme para as duas. Se isso não é uma prova de que a maioria dos votantes da academia não faz ideia do que está fazendo, eu não sei que poderia ser.

Além disso, existe um problema enorme de que essas quatro categorias não englobam o som gravado no set de filmagem, deixando o som como um elemento apenas da pós-produção. Essa é uma característica clara do modo como os filmes de Hollywood são feitos, onde a maior parte do som que escutamos na sala de cinema não foi gravado em set. Até mesmo os diálogos são dublados por meio do Automated Dialogue Replacement (ADR).

Com isso, curtam a premiação! É o grande espetáculo do showbusiness, mas não necessariamente tem a ver com inovações criativas ou liberdade de experimentar novos modos de fazer cinema. É Hollywood, onde tudo é falso e nós gostamos disso! Viva!

Deixe um comentário

Precisa de ajuda?